Fotografias trazem boas lembranças das atividades realizadas nos rios e recordações de todo processo de luta

Publicado em: 25/11/2021

Nos últimos dias 23 e 24 de novembro, a ATI Centro Rosa Fortini, em parceria com as Comissões de Atingidos do Território, apresentou a Exposição de Fotografias Itinerante “Memórias de Luta e Resistencia”- 6 anos do rompimento da barragem de Fundão- para atingidos da comunidade de Santana do Deserto (Rio Doce) e para alunos da Escola Estadual Doutor Otávio Soares (Santa Cruz do Escalvado).

Em Santana do Deserto, através das fotos, muitos moradores relembraram os bons tempos, quando exerciam as atividades de pesca artesanal e faiscação para obterem renda e o sustento para suas famílias. “Antes do rejeito chegar, era muito comum encontrarmos pelo rio os equipamentos de faiscação e de pesca. Estas atividades além de ajudar muito na renda das famílias, eram consideradas um divertimento no rio. Ali ficávamos quase o dia todo, com amigos e familiares, contávamos muitos casos e o dia ia passando...voltávamos para casa com um saco cheio de peixes e ouro para vender”, contou um morador de Santana do Deserto.

As fotografias na Escola também trouxeram muitas recordações para as crianças e jovens que contaram para a turma alguns momentos que viveram com seus familiares a beira do rio Doce. “Meu pai já pegou um dourado quase do meu tamanho”, “Um dia eu pesquei um peixe tão grande que a vara morgou. Minha mãe correu para me ajudar, mas o fio de náilon arrebentou e eu perdi o peixe”, “Meus pais foram indenizados recentemente porque são pescadores e não poderão mais pescar no rio”, “Minha avó tirava ouro do rio, ela me contou como era”. Além das recordações, os alunos conheceram todo o processo de luta e resistência dos atingidos nos últimos seis anos e o processo de faiscação.

 



Compartilhe: